13 de ago de 2008

Seun Kuti

Filho de Fela Kuti revê afrobeat
O músico nigeriano Seun Kuti retoma o gênero criado pelo pai em seu CD de estréia, "Many Things"
Disco é parceria com a Egypt 80, "big band" que tocou com Fela nos anos 80 e 90; Seun teve ajuda de Barack Obama para tocar nos EUA
BRUNA BITTENCOURT
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

"Eu sou totalmente influenciado pela música do meu pai", diz o nigeriano Seun Kuti. E é difícil não lembrar de Fela Kuti, um dos maiores músicos africanos -se não o maior-, ao ouvir o álbum de estréia de Seun, "Many Things".
O músico herdou do pai as letras de cunho político, o afrobeat (uma fusão entre jazz, funk e ritmos africanos criada por Fela nos anos 60), que percorre o disco, além da banda que o acompanhou na década de 80 e no começo dos anos 90.
Desde a morte do pai, vítima da Aids em 1997, Seun, 26, lidera a Egypt 80, uma das mais reverenciadas bandas em atividade, que bebe na tradição das "big bands", com um entrosamento de mais de 20 anos.
Doze dos 16 membros do grupo tocavam com Fela em shows diários no clube do músico, o Shrine, em Lagos (Nigéria).
Seun (pronuncia-se Shehoun) era uma espécie de mascote da banda, com a qual viajava, dançava e cantava desde os oito anos de idade. "Eu nunca quis ser o homem de frente da Egypt, mas depois da morte do meu pai, pensei: "E se eu continuar a tocar com ela?"."
Acompanhado pela banda, Seun canta letras sobre corrupção, descaso das autoridades e doenças, como em "African Problems" e "Mosquito Song".
Há em seu jeito de cantar uma visível influência do rap. O inglês, que escolheu para cantar suas faixas e que não esconde seu forte sotaque nigeriano, é herança do período em que estudou música na Inglaterra, assim como o pai nos anos 60.
Mas Seun não é o único músico da família: Femi Kuti, também bastante influenciado pelo afrobeat, tocou no Brasil na última edição do festival Free Jazz Festival, em 2000.

Barack Obama
Antes da turnê européia com a qual segue atualmente, Seun passou pelos EUA. O músico e sua banda só obtiveram o visto depois de uma intervenção de Barack Obama, fã de Seun.
O país tem hoje uma série de bandas influenciadas pelo afrobeat, como Nomo, Budos Band ou Antibalas, que reforçam a revitalização que Seun faz do gênero. "Eu gosto do que eles estão fazendo porque mostra que o gênero está crescendo", diz. "Já tinha cansado de ouvir as pessoas dizerem que o afrobeat era uma coisa antiga."
MANY THINGS
Artista: Seun Kuti & Fela's Egypt 80
Gravadora: Disorient
Quanto: US$ 14,99 (R$ 24,19; mais taxas) na Amazon (www.amazon.com)

Fonte: Folha de São Paulo, segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Nneka

Cantora nigeriana radicada na Alemanha lança segundo disco, "No Longer at Ease", e arrebanha críticas elogiosas ao fundir ritmos como funk, afrobeat, hip hop, jazz e soul
ADRIANA FERREIRA SILVA
EDITORA DO GUIA DA FOLHA

Nneka é bela e tem uma belíssima voz. Seu marcante acento e sua rebelde cabeleira, penteada em estilo black power, revelam suas origens africanas, declaradas também em letras e rimas. Rimas essas que versam ainda sobre as mais íntimas aflições da moça, embaladas por reggae, rap, jazz, funk, trip hop, soul.
Com tudo isso, dá para entender porque publicações como o jornal inglês "Sunday Times" e os franceses "La Marseillaise" e "Libération", entre outros, a apresentam como "a nova Lauryn Hill".
A comparação faz sentido, e a diva americana e sua extinta banda, o Fugees, são, declaradamente, uma de suas referências. Mas Nneka Egbuna tem personalidade e atitude de sobra para ser mais do que apenas uma sucessora de "miss Hill". E se a aposta dos críticos estiver correta, seu primeiro disco, "Victim of Truth" (2005), teria sido um "best-seller global" se lançado em Nova York.
Se a estréia impressionou, em "No Longer at Ease", álbum que saiu neste ano no exterior (leia crítica nesta página), Nneka aprimora suas influências e, pela primeira vez, é ouvida pelo grande público.
Foi graças a ele que as pessoas descobriram o CD anterior. E é também por ele que seu nome figura no line-up de festivais europeus ou abrindo para artistas como Sean Paul e a dupla Gnarls Barkley.
Mas Nneka parece passar ao largo das apostas e comparações. "As pessoas têm necessidade de relacionar um artista ao outro. A mídia precisa disso. Eu não", disse a cantora à Folha em entrevista realizada por telefone.
"De certa forma, é um prazer ser comparada a Lauryn Hill, porque ela é alguém que, definitivamente, tem algo a dizer. Você sente e ouve isso em suas letras", fala Nneka.
"Na verdade, ela é grande demais para ser comparada ao que estou fazendo."

Histórias
Nascida em Warri, a "cidade do petróleo", na Nigéria, Nneka, 27, tem muito a contar. Atualmente, ela trafega entre a terra natal, onde mora seu pai, e Hamburgo, na Alemanha, para onde se mudou aos oito anos, por motivos sobre os quais ela pouco fala. "Nunca foi minha intenção vir para cá [Hamburgo]. Tive problemas pessoais e, por coincidência, estava na Alemanha na época, mas sou mais africana do que européia."
Formada em antropologia, Nneka canta desde sempre, mas, só nos últimos três anos transformou seu hobby em profissão. "Nunca tive chance de fazer música. Minha família não tem nada a ver com a música. Meu pai é um arquiteto que se tornou fazendeiro. Sobre minha mãe [que é alemã], sei pouco. Não cresci com ela", conta.
"Escrevia sempre que sentia saudades da Nigéria. Quando estava sozinha. Era uma terapia para lutar contra a tristeza."
Além de sentimentos pessoais, suas letras tratam de problemas sociais e políticos da África e, segundo ela, refletem mais ou menos sua experiência de vida. "O que acontece ao meu redor e as pessoas com as quais convivo são minha grande inspiração", descreve.
Neste ponto, a influência do conterrâneo Fela Kuti, o criador do afrobeat, se sobrepõe à do hip hop norte-americano ou à do reggae jamaicano, dois ritmos marcantes no diversificado estilo de Nneka. "Fela Kuti é uma grande inspiração para todos os nigerianos. Ele e sua luta pela democracia e pela liberdade artística", diz. "Fela é o rei do afrobeat; um dos pais da música africana. Ele era capaz de exprimir as vontades do povo."

Diversidade
Ainda que a Nigéria seja o principal tema das canções de Nneka, e suas ruas o cenário de seus clipes -todos disponíveis no YouTube-, ela concorda que jamais teria feito um disco como "No Longer at Ease", ou mesmo "Victim of Truth", se estivesse morando na África.
"Se não tivesse saído de lá, jamais teria tido a chance de viver por mim mesma e de ver certas coisas", acredita. Além disso, Nneka não teria conhecido o DJ alemão Farhot, que delineou a sonoridade de seus dois álbuns -o segundo teve ainda a participação do produtor francês Jean Lamoot, conhecido por trabalhos com Salif Keita e Noir Desir.
Em ambos, Nneka se reveza rimando e cantando num estilo muito próprio. "Se tivesse que colocar em uma categoria, o primeiro disco é hip hop, afro hip hop e soul", afirma. "Já "No Longer at Ease" não sei como definir. É um CD repleto de diversidade e, ao mesmo tempo, muito pessoal. Fala de temas que me tocam muito seriamente. Diria que é louco."
E é por essa diversidade, certa dose de loucura e originalidade, que Nneka deve dar o que falar daqui para a frente.


Frases

"É um prazer ser comparada a Lauryn Hill, porque ela é alguém que tem algo a dizer. Você sente e ouve isso em suas letras"

"Escrevia sempre que sentia saudades da Nigéria. Era uma terapia contra a tristeza" NNEKA, cantora



ISSO É NNEKA

AFROBEAT
Fela Kuti, o criador do afrobeat -ritmo que mistura jazz, funk e ritmos africanos-, influenciou artistas do mundo inteiro, e, especialmente, os de seu país, onde é praticamente um mito. Segundo Nneka, suas letras e posições políticas inspiraram a liberdade artística e de expressão de todos os nigerianos

RITMOS JAMAICANOS
Bob Marley, King Tubby, Lee Perry e outros bambas da música jamaicana também estão presentes na sonoridade da cantora, que passeia pelo reggae e o ragga com igual desenvoltura

NINA SIMONE
Além da atitude política, Nneka herdou da cantora norte-americana o perfil camaleônico; como Nina Simone, é quase impossível encaixar a nigeriana e um estilo

HIP HOP
O hip hop norte-americano é a referência mais marcante no som da cantora. Destacam-se a mistura de jazz, rap, r&b e reggae que marca o som do The Fugees -segundo Nneka, a primeira banda de rap que ouviu- e o jazz rap da extinta dupla Black Star, formada pelos MCs Mos Def e Talib Kweli.

LAURYN HILL
Ainda que recuse a comparação, Nneka tem tudo para ser a nova Lauryn Hill. Como ela, tem personalidade, atitude e tanto suas letras, quanto a sonoridade de suas músicas, passam pelas mesmas influências da diva norte-americana

TRIP HOP
A mistura de downtempo, jazz, funk, soul, rap e breakbeats criada por bandas britânicas como Massive Attack e Portishead também perpassa o som de Nneka -ainda que ela não reconheça essa relação


Crítica

Com várias referências, CD impressiona

DO GUIA DA FOLHA

Nneka é a síntese dos estilos musicais espalhados pelo mundo pela diáspora africana, e o melhor exemplo de como africanos e afro-descendentes têm muito em comum. O pensamento político delineado por seu conterrâneo Fela Kuti é grande influência para suas letras, que, no entanto, encontram no formato do rap norte-americano a melhor forma de expressão.
Foi ouvindo artistas como Fugees, Mos Def e Talib Kweli que Nneka conheceu o hip hop dos EUA, e a mistura de rap, r&b, soul e jazz feita por eles é marcante na sonoridade da cantora nigeriana.
Essa referência se destaca, principalmente, em canções como "Death" ou "Come with Me", cuja letra discorre sobre as agruras do povo que vive em sua cidade, Warri, região petrolífera que é alvo da exploração de grandes companhias.
Mas essa relação aparece como uma, entre muitas, e é preciso ouvir Nneka como algo novo e original. Impressiona a maneira como a nigeriana passa do soul ao reggae com igual desenvoltura, às vezes numa mesma música. Ou como, de repente, se torna uma legítima intérprete de música pop africana, evocando ritmos locais como em "From Africa 2 U".
É por isso que "No Longer at Ease" transcende gêneros: é rap, soul, funk, reggae, afrobeat (basicamente, black music).
Merecem ser destacadas a parceria com o DJ alemão Farhot e o produtor francês Jean Lamoot, que duplicam a voz da cantora com efeitos contundentes, como no hit "Heartbeat", na qual as palavras soam com a batida de um coração.
Nneka nega o rótulo trip hop -rebatiza o estilo como afro hip hop- denominação, que, aliás, faz todo o sentido. (AFS)

NO LONGER AT EASE
Artista: Nneka
Gravadora: Four Music
Quanto: R$ 40 (em média; site www.amazon.de)
Onde ouvir: www.myspace.com/nnekaworld
Avaliação: ótimo

Fonte: Folha de São Paulo, segunda-feira, 11 de agosto de 2008