21 de dez de 2007

programa 04

apresentação: Mario Sartorello
produção: Roberto Barreto
colaboradores: Andre Stangl, Sankofa e Alvaro "Dj Panfricano"

Kwabena Kwabena (Gana) - Aso
King Sunny Ade (Nigéria) - Jigi Jigi Isapa
Oliver 'Tuku' Mtukudzi (Zimbaube) - Ndima Ndapedza
Papa Wemba (República Democrática do Congo) - Maria Valencia
Lokua Kanza (República Democrática do Congo) - Don't tell me
Kaysha (República Democrática do Congo) - One Love
Mussulo (Angola) - fofoqueiras
African Rhythm Messengers (Nigéria) - Bottom Bellé
Ireti Okusanya (Gana) - Sweet Mother

ouça e baixe aqui

15 de dez de 2007

programa 03

apresentação: Mario Sartorello
produção: Roberto Barreto
colaboradores: Andre Stangl e Lucio Magano

Sierra Leone's Refugee All Stars (Serra Leoa/Guiné) - I'm Not A Fool
Rokia Traoré (Mali) - N'Gotolén
Tinariwen (Mali) - Cler Achel
Salif Keita (Mali) - Sina
Afrissippi (Senegal/EUA) - Bafal
Kokolo Afrobeat Orchestra (EUA) - Democrazy
A peace of ebony (Zimbabwe) - Vadzimu
Bhundu Boys (Zimbabwe)- Vakaparei
Balla et Ses Balladins (Guiné) - Paulette
Madeka (Costa do Marfim) - Mokote

ouça e baixe - aqui

KUDURO - AfroHipHop de Periferia

por spirito santo

Ku, palavra e não palavrão, parece vir do mais puro vernáculo do Kimbundo (MataKu=nádegas, assento plural de ritaku), principal língua falada em Luanda, Angola (da qual falamos centenas de vocábulos, sem saber - inclusive Ku, certo?) O sentido figurado da palavra é, exatamente, o mesmo que usamos no Brasil: Bunda (palavra aliás, oriunda também do mesmo Kimbundo), literalmente traduzida para o portugês também como nádegas.

O sentido da expressão Kuduro poderá ser melhor explicado por um Angolano, mas, ao que tudo indica, significa o que parece: Kuduro= Bunda imóvel, sem rebolar, o que, considerando-se que um dos movimentos fundamentais da dança angolana é o sofisticado rebolado (dos homens inclusive), é muito significativo. Algo como uma dança diferente , supostamente ‘moderna’, no âmbito das danças tradicionais que, como já disse são, extremamente, rebolativas.

Contudo, dança livre que é, no Kuduro também se pode rebolar, é claro, basta querer.

Dito isto, o Kuduro, inserido no âmbito da cultura Hip Hop, é uma dança de rua (ou uma street dance, para quem gosta americanismos) Como todos os outros gêneros assemelhados, o Funk carioca e o Kwaito (da África do Sul) é a resposta africana avassaladora influência da indústria cultural de massa capitalista, cujo eixo como se sabe, localiza-se, desde o fim da segunda guerra mundial, na América do Norte.

Mas o Kuduro também é um símbolo dos mais fortes, neste momento, da enorme capacidade da resistência cultural das populações não-brancas, do outrora chamado Terceiro Mundo, diante da pressão globalizante, sinônimo evidente de aculturação.

leia mais>>>>

Fela Kuti: afro-beat é compromisso

por Ramiro Zwetsch

Quem teve a sorte de assistir ao vivo, pirou. Foi o caso de Bootsy Colins - lendário baixista do funk, que acompanhou tanto James Brown quanto os grupos Parliament e Funkadelic (ambos liderados pelo lunático George Clinton). "Fela apareceu e quebrou tudo. Eu nunca tinha assistido ou sentido nada igual. Foi incrível e eu acho que tudo aquilo se tornou uma parte de mim."

Bootsy fala sobre o músico nigeriano Fela Anikulapo Ransome Kuti que, como bem descreveu, costumava causar estrago pelos palcos por onde passava. O próprio James Brown também ficou impressionado quando o viu tocar (provavelmente, em alguma data perdida na década de 70). "Quando estivemos em Lagos, visitamos o clube de Fela Ransome Kuti, o Afro-Spot. A banda dele tinha um ritmo forte. Acho que Clyde absorveu um pouco daquele som no seu jeito de tocar ", escreveu em sua autobiografia, referindo-se a Clyde Stubblefield, um dos bateristas que tocou por mais tempo com Brown.

leia mais>>>>

8 de dez de 2007

segundo programa

apresentação: Mario Sartorello
produção: Roberto Barreto
colaboradores: Andre Stangl, Sankofa e Alvaro "Dj Panfricano"

Gnonnas Pedro (Benin) - Yiri Yiri Boum
Youssou N'Dour e Boubacar Mendy (Senegal) - Kirikou
Dog Murras (Angola) - Kwata kwata
Teeyah (Costa do Marfim) - Couper-décaler (com Anofela e Kaysha)
Letta M'Bulu (Africa do Sul) - What's Wrong With Groovin'
Bembeya Jazz (Guiné) - Yekeke
Fela Kuti (Nigeria) - Roforofo Fight
ET Mensah (Gana) - Highlife
Cheik Lo (Senegal) - Set
Bonga (Angola)-Mulemba Xangola

Nosso segundo programa já está disponível p/ ouvir e baixar no link

boa diversão!

30 de nov de 2007

cinema africano

"I Encontro de Cinema Negro Brasil-África"

de 29/11 a 04/12 - com vários filmes africanos
na Sala Walter da Silveira.

programação completa e mais informações no site:
Núcleo Omidudu

primeiro programa

apresentação: Mario Sartorello
produção: Roberto Barreto
colaboradores: Andre Stangl, Sankofa e Alvaro "Dj Panfricano"

Miriam Makeba (África do Sul) - Pata pata
Magic Sytem (Costa do Marfim) - Premiere Gaou
Tshala Muana (Congo) - Lekela Muadi
Amadou e Marian (Mali) - Si Ni Keneya
AB Crentsil (Gana)
Oliver de Coque (Nigéria) - Mama
David Zé (Angola) - Mona Ku Jimbre Manheno
Angelique Kidjo (Benin) - Refavela
Dog Murras (Angola) - tunda
Dog Murras (Angola) - midexa
Fela Kuti (Nigéria) - Zombie

O arquivo completo do primeiro programa está disponível no Portal da Eletrocooperativa - http://eletrocooperativa.org.br/acervo/2009/05/programa-01-africa-pop/

21 de nov de 2007

Bem-vindo(a)s!

Tomara que vcs tenham gostado do primeiro programa (24/11). Começamos com Miriam Makeba (África do Sul), Magic Sytem (Costa do Marfim), Tshala Muana (Congo), Amadou e Marian (Mali), AB Crentsil (Gana), Oliver de Coque (Nigéria), David Zé (Angola), Angelique Kidjo (Benin), Dog Murras (Angola) e Fela Kuti (Nigéria).

É quase impossível descrever toda a complexidade da música de um continente que abrange mais de 50 nações independentes com mais de 800 idiomas e 1600 dialetos. A profusão de fluxos e refluxos migratórios é enorme dentro e fora do continente. Sem falar da intrincada rede de interdependências entre a música dos descendentes de africanos no novo mundo (como hip-hop e o R&B, que hoje são massivamente tocadas nas rádios africanas), que são reprocessadas gerando novos estilos híbridos, como os de Angelique Kidjo, Kaysha, Magic System, entre outros.A idéia do programa é fazer um passeio pelo continente, contando com a ajuda de diversos colaboradores (mandem suas sugestões). Estaremos usando esse blog como uma forma de complementar as informações. Também vamos disponibilizar o podcast dos programas com as versões completas das músicas que, devido ao tempo limitado do programa, muitas vezes são apresentadas em versões editadas.